Av. Gonçalves, 02200 - Flosi, Barretos - SP, 14781-335

Aluna do 9º ano do Colégio Liceu é a única finalista da cidade de Barretos no Concurso de Redação do Hospital do Amor

Orientada pela professora Maria Aparecida Balduino Távora, a aluna Letícia Colugnati Del Bianco do 9º ano do Colégio Liceu, participou do IX Concurso de Redação promovido pelo NEC – Núcleo de Educação em Câncer do Hospital de Amor e Secretaria da Educação do Estado de São Paulo- SEDUC-SP, cujo tema foi “Vacina – uma dose de amor – da ciência para a humanidade” e ficou entre os 5 finalistas do concurso que contou com 70 diretorias de ensino, 441 escolas estaduais e 4 particulares de Barretos, 722 professores envolvidos e 13.293 inscritos, sendo a única da cidade de Barretos.

Os alunos finalistas serão premiados com três dias de estágio no Centro de Pesquisa em Oncologia Molecular do Hospital de Amor de Barretos, durante os quais desenvolverão várias atividades científicas e laboratoriais, além de serem estimulados a respeito da conscientização sobre os fatores ambientais que provocam o câncer e as suas medidas de prevenção.

O primeiro colocado ganhará um notebook, assim como o professor orientador, e os demais finalistas receberão tablets.
A cerimônia de premiação está prevista para o final do mês de outubro de 2021 e deve contar com a presença do Secretário da Educação – Prof. Rossieli Soares.
O corpo acadêmico do Colégio Liceu parabeniza os professores e alunos que participaram desse concurso e em especial, a aluna Letícia C. Del Bianco, pela belíssima redação apresentada.

Segue abaixo a redação da Letícia na íntegra:

Título: Vacina sim, para si e para o outro

A vacina é um assunto recorrente no mundo, principalmente no momento de pandemia que estamos vivendo agora. Nessa discussão, há dois polos, os que são a favor e os que são contra. Os movimentos antivacinas existem há muito tempo, um exemplo, foi a revolta da vacina, no período da República Velha. O que não se pode negar foi o salto que a ciência deu ao lançar a vacina em tempo recorde e se tornar a esperança da cura dessa pandemia.

Mesmo constando a ausência de medidas governamentais para conscientizar a população da sua importância, o que vai contra os ideais de John Locke da violação do “Contrato Social”, já que o Estado não cumpre sua função de garantir que os cidadãos desfrutem de seus direitos, como a saúde; além disso, é fundamental apontar as Fake News como impulsoras da desconfiança das pessoas quanto da vacina. Ainda assim, a ciência bravamente continuou suas pesquisas e mostrou sua experiência junto as sérias instituições Butantã e Fio Cruz.

Felizmente, há evidências de que a comunidade científica e a grande maioria da população são a favor das vacinas e se baseiam nas conquistas; várias doenças causando morte hoje são evitadas com elas, um exemplo é o surto de sarampo em 1956, que teve diminuição significativa em 1992 com a campanha de vacinação.

Conclui-se, então, a importância de campanhas como “Quem é Sênior, vacina” e concursos de redação como este, envolvendo o tema e os jovens. Vacinar é um ato de amor e além de nos proteger, protegemos o próximo.
Letícia Colugnati Del Bianco
Aluna do 9º ano do Colégio Liceu

Deixe uma resposta

Fechar Menu
×